Escolha uma Página

Tocar em grupo desenvolve a inteligência emocional

25 out, 2023

A Inteligência Emocional pode ser ensinada? Mais de 25 anos após o termo ser cunhado por Daniel Goleman, o assunto está em alta.

As companhias buscam líderes e profissionais não só capazes de oferecer conhecimento e experiência, mas de compartilharem de um senso colaborativo, com características emocionais capazes de construir um ambiente de trabalho mais saudável.

Ao que parece, conquistar o currículo perfeito, com a faculdade certa e os cursos ideais, parece bem mais fácil do que desenvolver habilidades de comunicação, empatia e compaixão. Isso levou a longas discussões sobre quais os melhores caminhos para desenvolver a inteligência emocional.

O problema é que, quase sempre, a inteligência emocional é ensinada do modo errado. Desde cedo, crianças são ensinadas na escola a desenvolver habilidades sociais em sala de aula. A questão é que não se pode ensinar emoções do modo tradicional, por meio do aprendizado consciente. As nossas emoções são resultado de nossas experiências, vivências e sentimentos. É algo que não está nos livros.

Essa abordagem faz com que a maior parte das pessoas entenda os principais conceitos por trás de uma forte inteligência emocional, mas tenha pouca familiaridade com as situações práticas. É como alguém que sabe como guiar um carro e passou no exame teórico, mas que nunca esteve guiando em uma avenida movimentada ou em uma noite de chuva, entende?

Então, como é possível desenvolver a inteligência emocional em líderes, de modo mais assertivo? A resposta pode estar nas notas musicais.

O poder da improvisação

Já existem experimentos que sugerem que a música é uma excelente ferramenta para desenvolver inteligência emocional. Principalmente quando isso envolve grupos ou composições conjuntas.
Veja, por exemplo, o compasso. Um grupo precisa entrar em acordo para achar o ritmo certo e conseguir executar algo que seja agradável aos ouvidos, certo? Isso requer um compromisso com os colegas para que todos funcionem em harmonia e cheguem a um mesmo objetivo comum.

Há também uma sensação de confiança, já que você precisa ter certeza que seu colega irá entrar no momento certo, tocar a nota certa e vai dar conta do recado. Uma vez que as coisas se encaixam, isso cria um forte senso de união e colaboração. É como dizem: uma orquestra funciona como um organismo único. Porque, assim como o corpo humano, cada um executa sua parte, apoiando e complementando o outro.

Outro problema comum do mundo corporativo, a falta de comunicação, pode ser trabalhado por meio da música. Veja bem, a audição é um dos principais sentidos acionados durante o exercício musical, o que nos leva a exercitar a habilidade de ouvir o outro. Músicos são experts em conseguir ler os sinais da comunicação não verbal de seus pares, bem como treinar o ouvido o tempo todo.

Uma improvisação com vários músicos, por exemplo, exige foco e atenção no que o outro está fazendo. É parar e perceber o colega se envolver no que está acontecendo ao redor. Imagine como desenvolver essa habilidade pode ajudar líderes a se conectarem melhor com as equipes e trabalhar em harmonia, mesmo em momentos inesperados. Afinal, como você acha que um quarteto de cordas é capaz de tocar uma linda melodia em perfeita sintonia sem um maestro ou ensaio prévio?

Tocar em grupo: empatia, habilidades e muito mais

Por fim, a música tem um enorme poder de desenvolver empatia. Quando estamos trabalhando em grupo para tocar algo, temos que aprender a deixar o ego de lado. Isso nos obriga a exercitar a empatia, nos colocando no lugar do outro, fazendo sacrifícios pelo time e melhorando a humildade. Um instrumentista que queira se sobressair sobre os demais ou que atropele os colegas, com certeza, botaria toda a apresentação a perder. Nem ele e nem o grupo sairia vencedor, certo?

Todas as qualidades descritas se aplicam ao mundo do trabalho e são arduamente buscadas por recrutadores. Criar música juntos ajuda a lidar com a imprevisibilidade, trabalhando a adaptabilidade e nossa capacidade em lidar com mudanças. Aprendemos a não resistir ao que não podemos mudar, mas sim a acompanhar o ritmo e fazer o melhor com o que nos é dado.

Além disso tudo, a música trabalha a criatividade e o foco. Sem contar que é possível desenvolver muitas outras habilidades, fazer amizades, liberar o estresse e ainda se divertir muito com tudo isso.
Maestro, uma nota, por favor!


Você já pensou em trabalhar com música? Se a resposta foi sim, abrir uma unidade School of Rock pode ser uma grande opção de investimento.

Para saber mais sobre nosso modelo de negócios, clique aqui. Se preferir, fale com nosso atendimento por WhatsApp e agende uma entrevista.

QUER SABER MAIS?

Preencha o formulário clicando no botão abaixo e receba o material completo sobre o modelo de negócios School of Rock. Nosso time de expansão entrará em contato para agendar uma conversa e tirar todas as suas dúvidas.